Autor: Fausto Brites Clarismundo, corpo calejado, coração contristado, caminhava cabisbaixo. Choro de Crescêncio, criança carente, comprometida com céu, corroía coração. Coitado! Culpado? Capaz de conseguir comida? Capaz de conseguir carinho? Comovia coração, clara e constantemente cada clamor: “Clarismundo, criança carece comida!”. Cremilda chorava, criticava, clamava. Cidadão? Como cidadão? Cadê carteiraContinuar lendo